Arquivos da categoria: Papagallis

Seu Blog WordPress em vários idiomas

Hoje estava pesquisando alguma forma de fazer com que alguns dos meus posts pudessem ser traduzidos para o Inglês automaticamente.

Meu blog é um WordPress, então dei uma procurada rápida em plugins e achei muita coisa interessante!

Achei interessante compartilhar:


Global Translator

Esse plugin traduz automaticamente seus post para vários idiomas. Você pode escolher qual Engine utilizar. Eu escolhi o Google.

Este plugin possui um sistema de cacheamento das traduções. Ele traduz todas suas páginas e posts e coloca em subdiretórios. Por exemplo, você escreve um post que tem o link permanente http://meublog.com/Meu-post-super-legal, o plugin criará uma página para cada idioma do seu post em subdiretórios dos idiomas que você escolheu. Por exemplo: http://meublog.com/en/Meu-post-super-legal, http://meublog.com/es/Meu-post-super-legal.

Todas as traduções são feitas de 5 em 5 minutos, não menos que isso. Dessa forma o sistema evita que teu site seja bloqueado pelas Engines de tradução.

Com a Engine do google, nas primeiras vezes que o post é traduzido, ele é mostrado num IFrame. Depois que o artigo é traduzido, um cache do post é feito e este é mostrado integralmente em teu site, nada de frames!

Link: http://www.nothing2hide.net/wp-plugins/wordpress-global-translator-plugin/


Codestyling Localization

Este plugin permite que você traduza diversos temas e plugins diretamente através de seu Dashboard.

Basta instalar o plugin, e acessar seu módulo no menu Ferramentas de seu Dashboard:

Ele escaneia arquivos por trechos que podem ser traduzidos,gera arquivos .po e .mo e permite que você traduza trechos utilizando a API de tradução do Google.

Link: http://www.code-styling.de/english/development/wordpress-plugin-codestyling-localization-en

qTranslate

Permite criar post em vários idiomas, manualmente.

Você define que idiomas seu blog terá e em cada post, você terá a opção de preencher  título, corpo e outros campos nos idiomas selecionados:

qTranslate Editor

Link: http://www.qianqin.de/qtranslate/


iCanLocalize

ICanLocalizeEste é o mais legal de todos!

Funciona assim. Você instala o plugin em seu blog, que pode ser WordPress, ou pode ser uma página corporativa desenvolvida em Drupal ou em outros CMS’s compatíveis.

Você entra então no site iCanLocalize, cria uma conta, cadastra seu site/blog e seleciona para quais idiomas você deseja que seus artigos sejam traduzidos.

Quando você publica um novo artigo, este é enviado automaticamente para os tradutores do iCanLocalize. Em alguns minutos ou horas seu novo artigo é traduzido e reenviado automaticamente para seu site nos idiomas que você escolheu!

Mais louco ainda! Se alguém comentar seu post, adivinha? Os caras também traduzem! E com toda certeza o resultado será muito melhor do que a tradução feita pelo Google ou qualquer tradução mecanica.

É claro que isto tem um preço, que não parece ser caro.

Link: http://www.icanlocalize.com

Rodando programas do Windows no Ubuntu 8.10 com o VirtualBox

http://www.virtualbox.org/graphics/vbox_logo2_gradient.pngNão tem jeito! Tem programa que roda no Windows que ainda hoje não conseguimos substituir no Linux. Nenhum problema até aí, já que todo mundo sabe que dá pra ter uma partição de seu disco reservado pro Windows pra algumas emergências, ou mesmo que é possível rodar algumas aplicações com o Wine.

Esses dias precisei rodar duas aplicações no Windows, o Gvox Encore, programa de partitura pra Windows e o Personal Brain, programa para fazer Mapas mentais.

O Encore foi batata, roda sobre o Wine, mas infelizmente apresentou alguns bugs.

Já o Personal Brain possui uma versão para Linux, porém seu desempenho é bem inferior do mesmo software quando executado a partir do Windows.

A primeira solução foi a tradicional, como já tinha o Windows instalado numa partição, reiniciei o PC e mandei bala nos programas. Nenhuma novidade até aí. Até que por acaso descobri que existe uma maneira mais interessante e inteligente de executar essas aplicações, possibilitando uma maior integração com seu ambiente primário, no meu caso o Ubuntu 8.10.

Isso é possível com uma máquina virtual chamada VirtualBox e seu modo “Seamless”. Máquinas Virtuais permitem que você criei um ou mais “computadores virtuais ” dentro do seu computador, ou seja, você pode rodar um Windows Xp e um Ubuntu dentro de seu Mac OSX, ou permite que você rode um Ubuntu dentro do seu Windows XP, ou no meu caso, permitiu que eu rodasse o Windows XP do Caribe no Ubuntu :-)

Então vai o passo a passo de como instalar a aplicação e deixar o sistema virtualizado mais integrado com o seu ambiente real de trabalho.

1º Passo – Instalando o VirtualBox

Primeira coisa, vamos instalar o tal VirtualBox. Pra isso, abra o Synaptic:

Sistema -> Administração -> Gerenciador de Pacotes Synapitc

Na “Busca Rápida” procure por virtualbox. Das opções disponíveis, peça para instalar o virtualbox-ose e o virtualbox-ose-source.

Ehhhhhhhhhh primeira etapa concluída.

2º Passo – Rodando o Virtual Box e criando uma máquina virtual

Depois de instalado, abra o Virtualbox: Aplicativos -> Acessórios -> VirtualBox OSE

Vamos agora criar uma máquina virtual clicando no botão “Novo” . Agora é só seguir este Wizard super fácil.

Na primeira tela clique em “Próximo”

Nome da máquina

Agora você precisa dar um nome a esta máquina e escolher o tipo de sistema. O nome pode ser qualquer coisas, eu dei o nome de Win XP pra minha.

Escolha o tipo de sistema Windows XP. Isso deve evitar problemas :-) Clique em Próximo.

Memória

Na próxima tela, você precisar definir quanta memória será disponiblizada para a máquina. Cuidado com isso. Você pode estourar sua memória fácil.

Meu laptop tem 1GB de memória RAM, mais 2GB de swap, eu escolhi então 370MB de memória pra está máquina virtual, que é um tamanho mais do que bom pro XP fazer o que tem que fazer. Se você tem uma aplicação crítica que vai rodar nesta máquina virtual, e se você possui mais memória no seu PC, podes aumentar esta memória.

Escolha então o tamanho da memória e clique em “Próximo”.

Disco Virtual

Agora vem a parte em que você precisa criar um disco Virtual pra sua Máquina de mentirinha heheheh

Provavelmente no item “Disco Rígido de Boot” você estará enxergando <sem discos rígidos>.

Ok, vamos criar um então! Clique em “Novo”.

Um novo Wizard aparece para criar um disco rígido virtual. Clique em Próximo na primeira tela e depois selecione o tipo “Imagem dinamicamente expansível” de imagem. Clique em Próximo novamente.

O nome do arquivo de imagem na tela seguinte pode ser qualquer coisa também. O tamanho deve ser algo como 10 GB. Isto é mais que suficiente para instalarmos o XP, Office, Photoshop e tudo o mais que você quiser. Se você o que está fazendo, você pode brincar com este número

O disco Virtual é na verdade um arquivo comum no seu sistema principal. Esse tipo de imagem dinamicamente expansível faz com que o tamanho deste arquivo só cresça conforme seu disco virtual for sendo preenchido. Se você não entendeu este parágrafo, não esquente, ele não faz a menor diferença agora :-)

Escolha então 10GB (ou o tamanho que você quiser) e clique em Próximo. Em seguida clique em Finalizar.

Ok, voltamos para a tela de seleção do Disco Rígido de Boot. Na caixa de seleção o Disco recém criado já está selecionado. Clique em Próximo. Em seguida clique em Finalizar.

Alguns ajustes bacanas

Antes de rodar a máquina virtual, vamos fazer alguns ajustes finos.

Clique na máquina criada e depois em “Configurações“.

Item “Geral -> Avançado”

Aqui, certifique que o item “Área de Transferência Compartilhada” está Bi-direcional. A  experiência é bem bacana, quando você copiar um texto no linux, poderá colar no Windows :-)

Item “Audio”

Habilite o Audio e escolha o driver Pulse ou Alsa. Só não escolha o driver Nulo, que você não ouvirá nada!

3º Passo – Ripa na chulipa, instalando o sistema operacional

Ok, agora que a máquina foi criada, é neessário instalar o seu sistema operacional. Insira o CD de instalação do XP no PC, selecione a máquina criada no VirtualBox e clique em “Iniciar”.

Agora você precisa instalar o Windows. Não vou te ensinar a fazer isso velhinho :-) Procura o Baboo heheeheh

Importante: A máquina virtual roda a princípio numa janela dentro do Gnome. Para interagir com esta janela, você precisa clicar dentro dela. Quando você fizer isso, você não conseguirá acessar o Ubuntu. Todos os comandos que você enviar serão enviados pra máquina virtual.
Para voltar ao Gnome, aperte a tecla Crtl direita do seu PC.

4º Passo – Deixando o XP mais integrado com o Ubuntu

Depois de instalar o XP, atualizar todos os service packs e patchs possíveis, vamos deixar a experiência mais legal.

4.1 Instalando o “Adicionais para Convidados”

Os Adicionais para Convidados permite justamente que o sistema virtualizado tenha mais interação com o sistema hospedeiro. A primeira diferença que você notará, é que após instalar o Adicional para convidados, não será mais necessário clicar dentro da janela da máquina virtual para intagir com suas janelas. Você poderá interagir com elas diretamente :-)

Para instalar, baixa a ultima versão do software no seu Ubuntu. Enquanto  escrevo, é a versão 2.1.0:

http://download.virtualbox.org/virtualbox/2.1.0/VBoxGuestAdditions_2.1.0.iso

Depois de baixar, monte este arquivo iso no CD-ROM da sua máquina virtual. Com seu XP em execução, clique em “Dispositivos -> Montar CD/DVD-ROM->Imagem de CD/DVD-ROM”.

Será necessário achar o arquivo baixado. Clique em Acrescentar, ache o arquivo recém baixado, abra-o, depois o selecione e clique em “Selecionar”.

Neste momento, existe um CD-ROM na sua máquina virtual. Abra o Windows Explorer, dê um duplo clique na unidade de CD-ROM. Neste momento, provavelmente o Instalador do VirtualBox Guest Additionals irá aparecer.

Siga o passo a passo e reinicie seu Windows XP Virtual! No próximo boot, seu XP já estará acessível a um clique do mouse, sem a necessidade de fazer um grab na máquina virtual.

4.2 Modo Seamless

Isso é demais!

Depois que você instalar os Adicionais para Convidados, com seu XP já ligado, aperte a tecla Hospedeiro (Crtl Direito) + L

Veja o que vai acontecer!

Microsoft Word, no modo Seamless do Virtual Box

Microsoft Word, no modo Seamless do Virtual Box

A barra do Windows vai ficar no canto inferior da tela. As janelas dos programas do Windows ficaram diretamente no gnome.

Pra ficar mais Chique ainda, você pode configurar a barra de tarefas do Windows para que se oculte automaticamente.

É só clicar com o botão direito nela, ir em Propriedades e selecionar “Ocultar a barra de tarefas automaticamente”

4.3 Acessando arquivos do Hospedeiro (Ubuntu) no Windows.

Após a instalação dos Adicionais para convidado, também é possível compartilhar arquivos entre Hospedeiro e convidado.

Para isso:

  • Desligue a máquina virtual (Windows XP)
  • Acesse o item “Pastas Compartilhadas” nas configurações da máquina virtual
  • Acrescente as pastas que deseja compartilha. No meu caso, compartilhei meu diretório de usuário /home/ronaldo
  • Ligue a máquina virtual novamente (o Windows XP)
  • Abra o Windows Explorer
  • Acesse Ferramentas -> Mapear Unidade de Rede
  • Clique em Procurar… Depois dê um duplo clique em VirtualBox Shared Folders
  • Lá estarão suas pastas, escolha a pasta que deseja mapear, clique em Ok e depois em Concluir.

Eeeeeeeeeeee!

4.4 Imprimindo da sua máquina Virtual na sua impressora real :-)

Por último, vamos instalar sua impressora do Ubuntu no Windows XP

Pra isso, precisamos saber qual é o nome da sua impressora no Ubuntu. Acesse Sistema->Administração->Impressão. Copie o nome da Impressora exatamente como ela aparece. Aqui no meu caso, é Deskjet-3840

Agora precisamos saber qual é o IP do hospedeiro para a máquina virtual, em outras palavras, qual é o IP que o Ubuntu mostra pro Windows XP. Pra isso, o prompt do XP e digite e de o comando ipconfig. O IP que queremos é o do Gateway. No meu caso é o 10.0.2.2

Agora no XP. acesse Iniciar ->Impressoras e Aparelhos de Fax->Adicionar uma impressora

Clique em Avançar na primeira tela. Na próxima tela,  selecione “Uma impressora de rede ou conectada a outro computador”. Clique em Avançar.

Na próxima tela, escolha “Conectar-se a uma impressora na Internet…”.

No campo URL você deverá digitar o seguinte: http://iphospedeiro:631/printers/nomedaimpressora

Em outras palavras, no meu caso, http://10.0.2.2:631/printers/Deskjet-3840

Clique em Avançar e, se tudo der certo, na próxima tela você escolherá o driver de sua impressora.

Galera! Por enquanto é isso que descobri do VirtualBox.

Hei, não quer dizer que todas as aplicações do Windows vão funcionar. Uma aplicação que tentei instalar e não rolou foi o Skype. Isto aconteceu por que minha máquina é antiga e não tem um recurso chamado PAE. Talvez em máquinas mais novas, com este recurso habilitado, o skype possa funcionar.

É isso então! Espero que tenham gostado :-)


[paypal text="Gostou deste artigo? Você pode me pagar um cafezinho e ajudar a manter este blog clicando aqui :-) " email="richieri@gmail.com" title="Contribuicao voluntaria para o site Richieri.com" amount="2" currency="USD" /]

Gwibber, Twitter e jaiku fácil no Ubuntu

http://jaiku.com/images/logo.pngFiquei um bom tempo sem atualizar meus mini blogs :-( Por alguma razão bem estranha o meu Imfied parou de funcionar e não consegui mais configurá-lo.

Como tive duas semanas bem corridas, não tava com saco e tempo pra entrar no site do twitter e do jaiku pra mandar as coisas. Bom, hoje tive um tempinho e resolvi procurar uma ferramenta legal pra facilitar minha vida, vida de quem usa o linux :-) Encontrei o Gwibber, que une numa tacada só o twitter, jaiku, flickr, facebook e mais alguns mecanismos de mini blogging.

Pra instalar no Ubuntu 8.04 é fácil:

  • Abra um terminal
  • crie o arquivo /etc/apt/sources.list.d/gwibber.list com o seguinte comando:
    sudo pico /etc/apt/sources.list.d/gwibber.list

  • adicione as seguintes linhas (repositórios de programas) no arquivo:
    deb http://ppa.launchpad.net/gwibber-team/ubuntu hardy main
    deb-src http://ppa.launchpad.net/gwibber-team/ubuntu hardy main
    deb http://ppa.launchpad.net/webkit-team/ubuntu hardy main
    deb-src http://ppa.launchpad.net/webkit-team/ubuntu hardy main

  • Salve o arquivo pressionando “F2″ e confirme com “S”. Atualize o repositório de dados com o comando:
    sudo apt-get update

  • E finalmente mande instalar!
    sudo apt-get install libwebkit-1.0-1 python-webkitgtk python-egenix-mxdatetime gwibber

http://assets1.twitter.com/images/twitter_logo_s.pngDepois de instalado, o programa pode ser acessado no menu Aplicações -> Internet -> Gwibber Microbloggin Client.

A configuração das contas é por sua conta! ..rs.. Mas é simples, basta ir no menu “Accounts” e adicionar os serviços que você utiliza.

Você pode também colocar o programa pra iniciar automaticamente. Vá em “Sistema” -> “Preferências” -> “Sessões”. Na aba “Programas Iniciais”, clique em “+ Adicionar”.

Em nome, digite qualquer coisa :-) e em comando, digite “gwibber” (sem as aspas).

Pra ver como instalar o Gwibber em outras distribuições, acesse:

https://wiki.ubuntu.com/gwibber

Internet móvel com Claro 3G

Cansei! eheheheh parece nome de movimento de rico e tals, mas eu realmente cansei de ficar na mão da Vivo e de seu serciço Vivozap.

Estava há pelo menos um mês com problemas de conexão com o Vivozap, mesma estando na Av. Pauslita por incrível que pareça. Abri diversos chamados, e embora tenha sido bem atendido (aparentemente o Call Center deles melhorou muito nesses dias) acabei descobrindo que não são os atendentes que vão resolver a infraestrutura da rede da Vivo.

A gota d’água foi ontem, quando fiquei uma hora e meia parado no trânsito, voltando pra Sorocaba de õnibus e mesmo estando ao lado da Barra Funda, o sistema não funcionou. Fiquei pasmado e na hora decidi cancelar meu plano (ou melhor, mudar para Vivozap Avulso pra não pagar multa contratual).

Como já estava namorando a Claro, cheguei em Sorocaba e fui direto pra loja comprar um modem e contratar o serviço de 500K. Já havia feito aquela pesquisa básica sobre quais placas eram compatíveis com o Linux e fechei com a D301 da Giant, que no momento era a única disponível na loja.

Vos escrevo este artigo navegando na internet da Claro, na Castelo Branco indo de Sorocaba pra São Paulo no Cometa, empresa de ônibus que interliga as duas cidades.

Como conectei o D301 no Ubuntu 8.04 e a conexão da Claro 3G na Castelo, serão assuntos de outros posts.

Só pra vocês terem uma idéia, consegui conectar na minha casa em Sorocaba a 500Kbits cravados com a Claro 3G, velocidade que eu contratei. Nem em São Paulo eu consegui essa velocidade com a Vivozap!

Fica aqui então meu ponto positivo pra Claro 3G em relação a Vivozap. É claro que deve haver vários pontos positivos do Vivozap em relação à Claro, mas por enquanto a Claro é mais a minha cara.

Até :-)

Minha vida digital

Fiquei sabendo através de um post do Tiago Dória sobre um serviço da web 2.0 que faz um mapa das intereções que a gente realiza na Web, a partir de Feeds.

Achei muito legal e resolvi compartilhar. O nome do serviço é Dipity.

Pros interessados, coloquei a minha vida digital neste link:

http://www.richieri.com/minha-deriva-digital/

É muito interessante. Tenho a impressão de ver de certa forma um livro da minha vida.

TV Escola Digital Interativa

TV Escola Digital Interativa
Lá se vão quase 5 anos do Projeto TV Escola Digital Interativa.

Foi nessa época que comecei a trabalhar com o Luiz Algarra, Lourenzo Ferreira e Alberto Blumenschein, galera que até hoje está por perto fazendo coisas legais, pesquisando, estudando, aprendendo, etc.

Também nessa época, participaram deste projeto e fizeram parte da minha vida, meu colega Matheus Paschoal (gente boa pakas), Jean Claude Frajmund (camarada das antigas do Algarra e do Alberto), Claudio Gámbaro, Eduardo Zial (por onde andas??) e mais uma pá de pessoas legais.

Desse tempo, ficaram boas recordações, experiências, alegrias e este vídeo. Enjoy :-)

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=5Xngm9jONhM]

Ning: Como fazer com que os membros possam escolher o idioma preferido

Estes dias descobri que o Ning ainda não tem suporte a esta funcionalidade. Busquei um monte por que precisava passar esta informação para um cliente e descobri que realmente ninguém havia feito isso. Bom, só me restou perder uma manhã e fazer.

Fiz um tutorialzinho em inglês, que está disponível neste link.

Espero que seja útil ;)

Para entender um pouco mais de World Café e da Papagallis

Estes dias nós da Papagallis fizemos duas apresentações sobre nossa empresa e sobre o World Café (café com conversa como chamamos).

Aqui estão elas :-)





Tradução do capítulo World Café no livro Collective Inteligence

Pra quem se interessa pelo World Café e em entender seu funcionamento, recomendo uma boa leitura do capítulo sobre o assunto no livro Collective Inteligence de Robert Steele.

Como já disse num post anterior, o capítulo foi escrito pelos co-idealizadores do World Café, Juanita Brown e David Isascs, apoiados por outras pessoas da comunidade do Café.

Por ser um material muito precioso, resolvi fazer uma tradução e disponibilizá-lo na wiki da Papagallis. Como está na wiki, qualquer pessoa pode se sentir a vontade e melhorar a tradução ok?

Os links estão abaixo:

Collective Inteligence – World Café – Original (PDF em inglês)

Tradução do texto para o Português – na wiki Papagallis

World Café: Despertando a inteligência coletiva e ações com envolvimento e empenho coletivo.

collective-intelligence-book-jacket.jpgOs co-inventores do World Café Juanita Brown e David Isaacs, escreveram um capítulo sobre a técnica no livro Collective Intelligence (Inteligência Coletiva), editado por Robert Steele. Vale a pena dar uma lida no PDF do capítulo que está disponível para download no link abaixo:

Collective-Intelligence-Chapter.pdf

O subtítulo do capítulo que fala sobre o World Café é “Despertando a inteligência coletiva e ações com envolvimento e empenho coletivo.”

Taí uma boa definição (uma entre muitas) do que um World Café proporciona!